Quem foi madame Curie?

Quem foi madame Curie?

Marie Curie foi a primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel de Física e, com a conquista posterior, de Química, tornou-se a primeira pessoa a receber o Prêmio Nobel duas vezes. Seus esforços com o marido Pierre levaram à descoberta do polônio e do rádio, e ela defendeu o desenvolvimento dos raios-X.

Quem foi Marie Curie?

Marie Curie se tornou a primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel e a primeira pessoa – homem ou mulher – a ganhar o prêmio duas vezes. Com seu marido Pierre Curie, os esforços de Marie levaram à descoberta do polônio e do rádio e, após a morte de Pierre, ao desenvolvimento dos raios-X. O famoso cientista morreu em 1934 de anemia aplástica provavelmente causada pela exposição à radiação.

Infância e educação

Maria Sklodowska, mais tarde conhecida como Marie Curie, nasceu em 7 de novembro de 1867, em Varsóvia (atual Polônia). Curie era o caçula de cinco filhos, seguindo os irmãos Zosia, Józef, Bronya e Hela.

Os pais de Curie eram professores. Seu pai, Wladyslaw, era professor de matemática e física. Quando ela tinha apenas 10 anos, Curie perdeu sua mãe, Bronislawa, para a tuberculose.

Quando criança, Curie se parecia com o pai. Ela tinha uma mente brilhante e curiosa e era excelente na escola. Mas, apesar de ser uma aluna excelente em sua escola secundária, Curie não pôde frequentar a Universidade de Varsóvia, apenas para homens. Em vez disso, ela continuou seus estudos na “universidade flutuante” de Varsóvia, um conjunto de aulas clandestinas informais ministradas em segredo.

Curie e sua irmã Bronya sonhavam em ir para o exterior para obter um diploma oficial, mas não tinham recursos financeiros para pagar mais estudos. Implacável, Curie fez um acordo com a irmã: ela trabalharia para sustentar Bronya enquanto ela estivesse na escola, e Bronya retribuiria o favor depois que ela concluísse os estudos.

Por cerca de cinco anos, Curie trabalhou como tutora e governanta. Ela usava seu tempo livre para estudar, lendo sobre física, química e matemática.

Em 1891, Curie finalmente foi para Paris e matriculou-se na Sorbonne. Se dedicou aos estudos, mas essa dedicação teve um custo pessoal: com pouco dinheiro, Curie sobrevivia com pão com manteiga e chá, e sua saúde às vezes era prejudicada por causa de sua dieta pobre.

Curie concluiu seu mestrado em física em 1893 e obteve outro diploma em matemática no ano seguinte.

Casamento com Pierre Curie

Marie se casou com o físico francês Pierre Curie em 26 de julho de 1895. Eles foram apresentados por um colega de Marie depois que ela se formou na Universidade da Sorbonne; Marie havia recebido uma encomenda para realizar um estudo sobre diferentes tipos de aço e suas propriedades magnéticas e precisava de um laboratório para seu trabalho.

Foto – Cortesia de biography.com

Um romance se desenvolveu entre o par brilhante, e eles se tornaram uma dupla dinâmica científica que era completamente devotada um ao outro. No início, Marie e Pierre trabalharam em projetos separados. Mas depois que Marie descobriu a radioatividade, Pierre deixou de lado seu próprio trabalho para ajudá-la em suas pesquisas.

Marie sofreu uma perda tremenda em 1906, quando Pierre foi morto em Paris depois de cair acidentalmente na frente de uma carroça puxada por cavalos. Apesar de sua enorme dor, ela assumiu o cargo de professor na Sorbonne, tornando-se a primeira professora da instituição.

Em 1911, o relacionamento de Curie com o ex-aluno de seu marido, Paul Langevin, tornou-se público. Curie foi ridicularizado na imprensa por romper o casamento de Langevin, ela sofreu com a negatividade em parte decorrente do aumento da xenofobia na França.

Maternidade

Em 1897, Marie e Pierre deram as boas-vindas a uma filha, Irène. O casal teve uma segunda filha, Ève, em 1904.

Irène Joliot-Curie seguiu os passos de sua mãe, ganhando o Prêmio Nobel de Química em 1935. Joliot-Curie compartilhou a honra com seu marido, Frédéric Joliot, por seu trabalho na síntese de novos elementos radioativos.

Em 1937, Ève Curie escreveu a primeira de muitas biografias dedicadas a sua famosa mãe, Madame Curie, que se tornou um longa-metragem alguns anos depois.

Descobertas

Curie descobriu a radioatividade e, junto com seu marido Pierre, os elementos radioativos polônio e rádio enquanto trabalhava com o mineral pechblenda. Ela também defendeu o desenvolvimento de raios-X após a morte de Pierre.

Radioatividade, Polônio e Rádio

Fascinada pelo trabalho de Henri Becquerel, um físico francês que descobriu que o urânio emite raios mais fracos do que os raios X encontrados por Wilhelm Conrad Röntgen, Curie levou seu trabalho alguns passos adiante.

Curie conduziu seus próprios experimentos com raios de urânio e descobriu que eles permaneciam constantes, independentemente da condição ou forma do urânio. Os raios, ela teorizou, vieram da estrutura atômica do elemento. Essa ideia revolucionária criou o campo da física atômica. A própria Curie cunhou a palavra “radioatividade” para descrever o fenômeno.

Após a descoberta da radioatividade por Curie, ela continuou sua pesquisa com seu marido Pierre. Trabalhando com o mineral pitchblende, a dupla descobriu um novo elemento radioativo em 1898. Eles chamaram o elemento polônio, em homenagem ao país natal de Curie, a Polônia.

Eles também detectaram a presença de outro material radioativo na pechblenda e deram o nome de rádio. Em 1902, os Curie anunciaram que haviam produzido um decigrama de rádio puro, demonstrando sua existência como elemento químico único.

Raio-x

Quando a Primeira Guerra Mundial estourou em 1914, Curie dedicou seu tempo e recursos para ajudar a causa. Ela defendeu o uso de máquinas portáteis de raio-X no campo, e esses veículos médicos ganharam o apelido de “Pequenos Curies”.

Após a guerra, Curie usou sua celebridade para avançar em sua pesquisa. Ela viajou aos Estados Unidos duas vezes – em 1921 e em 1929 – para levantar fundos para comprar rádio e estabelecer um instituto de pesquisa de rádio em Varsóvia.

Prêmios Nobel

Curie ganhou dois prêmios Nobel, de física em 1903 e de química em 1911. Foi a primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel, bem como a primeira pessoa – homem ou mulher – a ganhar o prestigioso prêmio duas vezes. Ela continua a ser a única pessoa a ser homenageada por realizações em duas ciências distintas.

Curie recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1903, junto com seu marido e Henri Becquerel, por seu trabalho sobre radioatividade. Com a vitória, os Curie desenvolveram uma reputação internacional por seus esforços científicos e usaram o dinheiro do prêmio para continuar suas pesquisas.

Em 1911, Curie ganhou seu segundo Prêmio Nobel, desta vez em Química, por sua descoberta de rádio e polônio. Enquanto ela recebeu o prêmio sozinha, ela compartilhou a honra juntamente com seu falecido marido em sua palestra de aceitação.

Por volta dessa época, Curie se juntou a outros cientistas famosos, incluindo Albert Einstein e Max Planck, para participar do primeiro Congresso Solvay de Física e discutir as muitas descobertas inovadoras em seu campo.

Morte

Curie morreu em 4 de julho de 1934, de anemia aplástica, que se acredita ser causada por exposição prolongada à radiação.

Ela era conhecida por carregar tubos de ensaio de rádio no bolso de seu jaleco. Seus muitos anos de trabalho com materiais radioativos afetaram sua saúde.

Legado

Curie fez muitas descobertas em sua vida. Lembrada como uma figura de destaque na ciência e um modelo para as mulheres, ela recebeu inúmeras homenagens póstumas. Várias instituições educacionais e de pesquisa e centros médicos levam o nome Curie, incluindo o Curie Institute e a Pierre and Marie Curie University (UPMC).

Em 1995, os restos mortais de Marie e Pierre foram enterrados no Panteão de Paris, o local de descanso final das maiores mentes da França. Marie se tornou a primeira e uma das cinco mulheres a serem sepultadas ali. Em 2017, o Panthéon acolheu uma exposição em homenagem aos 150 anos do cientista pioneiro.

A história do ganhador do Nobel voltou às telas em 2017 com Marie Curie: The Courage of Knowledge, com a atriz polonesa Karolina Gruszka. Em 2018, a Amazon anunciou o desenvolvimento de outro filme biográfico de Curie, com a atriz britânica Rosamund Pike no papel principal, que pode ser visto na Netflix.

Tags: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *