O FBI alerta sobre o aumento de ‘deepfakes’ nos próximos meses e explica como identificá-los facilmente

O FBI alerta sobre o aumento de ‘deepfakes’ nos próximos meses e explica como identificá-los facilmente

O FBI emitiu um alerta severo dizendo que “atores mal-intencionados quase certamente usarão conteúdo sintético para operações de influência cibernética e estrangeira nos próximos 12 a 18 meses”.

“Conteúdo sintético” refere-se a qualquer conteúdo manipulado ou gerado em vídeo, foto, texto e áudio.

Também inclui deepfakes, que usam inteligência artificial para substituir a semelhança de uma pessoa por outra.

No comunicado divulgado em 10 de março, o FBI disse que “atores russos, chineses e de língua chinesa estão usando imagens de perfil sintéticas derivadas de GANs [redes adversárias geradoras]”.

Eles também apontaram para um aumento no número de jornalistas e artigos falsos que circulam online. Embora esses jornalistas tenham uma “presença on-line robusta”, sua fraude pode ser descoberta por “checagens básicas de fatos”.

Deepfakes já entrou na cultura popular e está mais fácil do que nunca de fazer, tornando-se o assunto de memes online, mas também de desinformação e abuso, especialmente na forma de pornografia de vingança.

O ex-“czar da fraude” do Google, Shuman Ghosemajumder, disse ao Insider no ano passado que os deepfakes provavelmente evoluiriam e se espalhariam ainda mais, com deepfakes “perfeitamente realistas” em nosso futuro próximo.

O FBI disse ter “identificado várias campanhas que alavancaram conteúdo sintético” desde o final de 2019, e o número parece que deve crescer.

Esses ataques foram realizados para “promover a arte e aumentar o impacto” das atividades dos perpetradores.

Como detectar deepfakes

Em seu comunicado, o FBI também detalhou como detectar falsificações profundas. Muito espaço entre os olhos do sujeito, bem como os movimentos da cabeça e do tronco e problemas de sincronização entre os movimentos do rosto e dos lábios podem ser pistas importantes.

Pesquisadores da Universidade de Buffalo também desenvolveram uma ferramenta para detectar deepfakes e afirmam que ela é 94% eficaz, com taxas de sucesso mais baixas em fotos não retratadas.

O FBI também emitiu orientações detalhadas sobre como os indivíduos podem se proteger do crime cibernético, destacando que as pessoas não devem presumir que um perfil online corresponde a uma pessoa.

Eles também disseram que os usuários devem buscar fontes múltiplas de informação e ter cuidado ao fornecer informações confidenciais online ou por telefone.

Tags: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *